terça-feira, 23 de dezembro de 2008

Cinema - Pré Estréia

Por Raphael Dias Nunes

JUVENTUDE
Com: Paulo José, Domingos de Oliveira e Aderbal Freire Filho // Direção e Roteiro: Domingos de Oliveira
BRA/ 2008, Comédia, 72 minutos


Premiado no Festival de Gramado, o novo filme de Domingos de Oliveira repete a boa e velha fórmula do diretor: forte relevância no texto e diálogos, sob uma temática simples. No filme, os personagens celebram uma longa e duradoura amizade, em um encontro numa casa em Petrópolis. O bate-papo deles revela lembranças, fases da vida, os amores passados e atuais, sexualidade, além da tônica conflituosa do homem que chega aos 60/ 70 anos de idade.

Domingos de Oliveira manteve o seu padrão, que pode ser associado com as experiências que ele próprio adquiriu em sua vida. Alguns reclamam que ele não muda, outros acham magnífico. Mas é inegável que isso é sua marca registrada. Apesar do filme ter três homens que esplanam seus pensamentos sobre a vida, o diretor conseguiu dar um jeito de manter a mulher como o principal foco destes questionamentos. "Ele não cresce", alguns comentam, sobre o diretor. Deve ser porque ele nunca deixou de ser uma criança...

Destaque ainda para a música, algumas delas compostas pelo próprio Domingos de Oliveira, além de clássicos de J.S. Bach. Destaque também para a atuação do trio de artistas, que se embrenham em diálogos primorosos e inteligentes. Não é à toa que são consagrados ícones da cena cultural brasileira. Outro simples e interessante fator que merece elogios é o nome dado ao trabalho: "Juventude" resume perfeitamente a mensagem que quis ser passada.
Criticado algumas vezes por detalhes técnicos de fotografia, o fato não chega a ser relevante, diante da natureza leve, sensível e envolvente do filme.

O evento de pré-estréia de "Juventude", ocorreu nesta segunda-feira, na Casa de Cultura Laura Alvim, em Ipanema. O trio de protagonistas compareceu, dando uma pitada de bom-humor e descontração antes e depois do filme. Além deles, ilustres personalidades como as atrizes Marieta Severo e a bela Pitty Webbo.
E como é belo ver Domingos e Paulo José juntos, depois de tantos anos e trabalhos conjuntos! Uma linda relação, que dá mais legitimidade e credibilidade à realização do longa. No coquetel após o término da sessão de gala, Domingos de Oliveira, mais pra lá do que pra cá - mas sem perder a pose - deu ainda uma canja no microfone. Cantou músicas que iam de Frank Sinatra até marchinhas de carnaval (confira na imagem ao lado), contagiando e animando ainda mais o público. Figuraça querida!

XXX

Foto filme (no topo, à esquerda): Divulgação
Foto show Laura Alvim: Raphael Dias Nunes


Saudações chorumélicas!

Um comentário:

Bia disse...

a foto do filme é bárbara! a príncípio gera estranhamento porque é feita com equipamento digital barato e a projeção do filme também é via digital. mesmo as câmeras digitais mais caras ainda não nos propiciam a qualidade da boa e velha película. até porque, o problema maior é a projeção digital, transformar o filme em um arquivo para distribuir online nos cinemas.
mas se o mais importante nos filmes de domingos de oliveira é o texto, a fotografia de "juventude" colabora perfeitamente para o destaque que os diálogos merecem. é preciso dizer que foi dirigida por um dos grandes mestres do cinema brasileiro, o genial dib lufti, que, antes do advento do steady-cam, mandava a melhor câmera na mão (no peito e na raça) do oeste. seu estilo próprio, inconfundível, é experimental, ousado e corre o risco de ser confundido com problemas técnicos. é que, realmente, não segue "o padrão". é fotografia suja mesmo, marginal. proposta que tem tudo a ver com o trabalho que domingos vem desenvolvendo nos últimos trabalhos: fazer cinema brasileiro independente do dinheiro público, filmes de *baixo orçamento e alto astral (*BOAA, sigla que o cineasta criou em manifesto recente por ocasião do lançamento de "carreiras").